terça-feira, 1 de março de 2011

Barroco Brasileiro

Contexto:
• Renascimento e a Reforma de Lutero, a Contra Reforma da igreja Católica(Concílio de Trento; Companhia de Jesus = Padres jesuítas)


Marco inicial:
PROSOPOPÉIA – Bento Teixeira(1601) poema épico, tendo como por assunto os feitos militares de Jorge Albuquerque.

Autores e Obras:

GREGÓRIO DE MATOS GUERRA – “ Boca do Inferno” – poeta baiano. Produziu poesia satírica, pornográfica, amorosa, filosófica e religiosa. Através, sobretudo de sua poesia satírica, traça um painel do Brasil Colônia de então, incorpora características da Linguagem popular. Na Poesia Amorosa: descrição idealizante da amada, convite ao prazer amoroso; NA poesia religiosa: homem pecador x Deus salvador

• Pe. ANTONIO VIEIRA: português de nascimento. Orador Sacro famoso: cerca de 200 sermões: Tendência conceptista de Estilo. Grande domínio da Lingua Portuguesa. Além dos temas religiosos, demonstrou preocupação com assuntos sociais políticos e econômicos de seu tempo. SERMÃO DA SEXAGÉSIMA: aponta as tres causas possíveis pelo fraco efeito das pregações: o próprio pregador, o ouvinte e Deus.Sermão de Santo Antonio aos Peixes. A respeito da escravidão dos indígenas.

Características:
• Estética do conflito: pela confluência de valores medievais
• Antropocentrismo x Teocentrismo
• Tensão e angústia existencial / linguagem rebuscada
• Uso abundante de linguagem figurada: antíteses, paradoxo, inversão sintática, hipérboles, metáforas e gradação...
• Forte religiosidade. Estilo opulento, todo retorcido, feito de tensão e contrastes.
• Tematização da brevidade da vida e da efemeridade de tudo, juventude, beleza, poder, riqueza...
• Mulher-sedução: sensualismo (ênfase dado aos aspectos táteis, visuais, sensitivos, tanto em relação à nobreza como ao corpo humano.
• Pessimismo
• Gosto pela grandiosidade e pela pompa.



Correntes filosóficas do barroco:
Cultismo: valorização dos aspectos externos, sensoriais, formais.
Conceptismo : valorização das idéias, raciocínio, argumentação, a semântica das


Questoes sobre o Barroco no Brasil

1. (UMCP-SP) O culto do contraste, pessimismo, acumulação de elementos, niilismo temático, tendência para a descrição e preferência pelos aspectos cruéis, dolorosos, sangrentos e repugnantes, são características do:


a. Barroco
b. Realismo
c. Rococó
d. Naturalismo
e. Romantismo

2. (F.C. Chagas-BA) Assinale o texto que, pela linguagem e pelas idéias, pode ser considerado como representante da corrente barroca.
a. "Brando e meigo sorriso se deslizava em seus lábios; os negros caracóis de suas belas madeixas brincavam, mercê do Zéfiro, sobre suas faces... e ela também suspirava."
b. "Estiadas amáveis iluminavam instantes de céus sobre ruas molhadas de pipilos nos arbustos dos squares. Mas a abóbada de garoa desabava os quarteirões."
c. "Os sinos repicavam numa impaciência alegre. Padre Antônio continuou a caminhar lentamente, pensando que cem vezes estivera a cair, cedendo à fatalidade da herança e à influência do meio que o arrastavam para o pecado."
d. "De súbito, porém, as lancinantes incertezas, as brumosas noites pesadas de tanta agonia, de tanto pavor de morte, desfaziam-se, desapareciam completamente como os tênues vapores de um letargo..."
e. "Ah! Peixes, quantas invejas vos tenho a essa natural irregularidade! A vossa bruteza é melhor que o meu alvedrio. Eu falo, mas vós não ofendeis a Deus com as palavras: eu lembro-me, mas vós não ofendeis a Deus com a memória: eu discorro, mas vós não ofendeis a Deus com o entendimento: eu quero, mas vós não ofendeis a Deus com a vontade."

3. (FUVEST-SP)

"Nasce o Sol, e não dura mais que um dia.
Depois da luz, se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas a alegria."

Na estrofe acima, de um soneto de Gregório de Matos Guerra, a principal característica do Barroco é:
a. culto da Natureza
b. a utilização de rimas alternadas
c. a forte presença de antíteses
d. culto do amor cortês
e. uso de aliterações

4. (FUVEST-SP) O bifrontismo do homem, santo e pecador; o impulso pessoal prevalecendo sobre normas ditadas por modelos; o culto do contraste; a riqueza de pormenores – são traços constantes da:
a. composição poética parnasiana
b. poesia simbolista
c. produção poética arcádica de inspiração bucólica
d. poesia barroca
e. poesia condoreirista

5. (PUCC-SP)
"Que falta nesta cidade? Verdade.
Que mais por sua desonra? Honra.
Falta mais que se lhe ponha? Vergonha.
O demo a viver se exponha,
Por mais que a fama a exalta,
Numa cidade onde falta
Verdade, honra, vergonha."

Pode-se reconhecer nos versos acima, de Gregório de Matos:
a. caráter de jogo verbal próprio do estilo barroco, a serviço de uma crítica, em tom de sátira, do perfil moral da cidade da Bahia.
b. caráter de jogo verbal próprio da poesia religiosa do século XVI, sustentando piedosa lamentação pela falta de fé do gentio.
c. estilo pedagógico da poesia neoclássica, por meio da qual o poeta se investe das funções de um autêntico moralizador.
d. caráter de jogo verbal próprio do estilo barroco, a serviço da expressão lírica do arrependimento do poeta pecador.
e. estilo pedagógico da poesia neoclássica, sustentando em tom lírico as reflexões do poeta sobre o perfil moral da cidade da Bahia.
6. (FUVEST-SP)
"Entre os semeadores do Evangelho há uns que saem a semear, há outros que semeiam sem sair. Os que saem a semear são os que vão pregar à Índia, à China, ao Japão; os que semeiam sem sair são os que se contentam com pregar na pátria. Todos terão sua razão, mas tudo tem sua conta. Aos que têm a seara em casa, pagar-lhes-ão a semeadura; aos que vão buscar a seara tão longe, hão-lhes de medir a semeadura, e hão-lhes de contar os passos. Ah! dia do juízo! Ah! pregadores! Os de cá, achar-vos-ei com mais paço; os de lá, com mais passos..."

Essa passagem é representativa de uma das tendências estéticas típicas da prosa seiscentista, a saber:
a. Sebastianismo, isto é, a celebração do mito da volta de D.Sebastião, rei de Portugal, morto na batalha de Alcácer-Quibir.
b. a busca do exotismo e da aventura ultramarina, presentes nas crônicas e narrativas de viagem.
c. a exaltação do heróico e do épico, por meio das metáforas grandiloqüentes da epopéia.
d. lirismo trovadoresco, caracterizado por figuras de estilo passionais e místicas.
e. Conceptismo, caracterizado pela utilização constante dos recursos da dialética.

7. (UFBA) Assinale a proposição ou proposições em que o poeta Gregório de Matos, afastando-se da proposta estética do Barroco, assume uma postura crítico-satírica ante a realidade e, depois, some os valores.
(01) "Sol de justiça divino/ sois Amor onipotente,/ porque estais continuamente/ no luzimento mais fino:/ porém, Senhor; se o contínuo/ resplandecer se vos deve,/ fazendo um reparo breve/ desse sol no luzimento,/ sois sol, mas no Sacramento/ Com razão divina neve."

(02) "E que justiça a resguarda? .......... Bastarda
É grátis distribuída? ............................. Vendida
Que tem, que a todos assusta? ............. Injusta
Valha-nos Deus, o que custa,/ o que El-Rei nos dá de graça,/ que anda a justiça na praça/ Bastarda, Vendida, Injusta."

(04) "Valha-me Deus, que será/ desta minha triste vida,/ que assim mal logro perdida./ onde, Senhor, parará?/ que conta se me fará/ lá no fim, onde se apura/ o mal, que sempre em mim dura,/ o bem, que nunca abracei,/ os gozos, que desprezei, por uma eterna amargura."

(08) "Entre os nascidos só vós/ por privilégio na vida/ fostes, Senhora, nascida/ isenta da culpa atroz:/ mas se Deus (sabemos nós)/ que pode tudo, o que quer,/ e vos chegou a eleger/ para Mãe sua tão alta,/ impureza, mancha, ou falta/ nunca em vós podia haver."

(16) "O Mercador avarento,/ quando a sua compra estende,/ no que compra, e no que vende,/ tira duzentos por cento:/ não é ele tão jumento,/ que não sabia, que em Lisboa/ se lhe há de dar na gamboa,/ mas comido já o dinheiro/ diz, que a honra está primeiro,/ e que honrado a toda Lei:/ esta é a justiça, que manda El-Rei."

(32) "Senhor Antão de Souza de Meneses,/ Quem sobe a alto lugar, que não merece,/ Homem sobe, asno vai, burro parece,/ Que o subir é desgraça muitas vezes./ A fortunilha autora de entremezes/ Transpõem em burro o Herói, que indigno cresce:/ Desanda a roda, e logo o homem desce,/ Que é discreta a fortuna em seus reveses."

(64) "De um barro frágil, e vil,/ Senhor, o homem formastes,/ cuja obra exagerastes/ por engenhosa, e sutil:/ graças vos dou mil a mil,/ pois em conhecido aumento/; tem meu ser o fundamento/ na razão, em que se estriba,/ se infundis alma viva,/ que muito, que vivo alento."


8. (FUVEST-SP) A respeito do Padre Antônio Vieira, pode-se afirmar:
a. Embora vivesse no Brasil, por sua formação lusitana não se ocupou de problemas locais.
b. Procurava adequar os textos bíblicos às realidades de que tratava.
c. Dada sua espiritualidade, demonstrava desinteresse por assuntos mundanos.
d. Em função de seu zelo para com Deus, utilizava-o para justificar todos os acontecimentos políticos e sociais.
e. Mostrou-se tímido diante dos interesses dos poderosos.

9. (FEBASP-SP)

"Basta, senhor, que eu, porque roubo em uma barca, sou ladrão, e vós, porque roubais em uma armada, sois imperador? Assim é. O roubar pouco é culpa, o roubar muito é grandeza: o roubar com pouco poder faz os piratas, o roubar com muito, os Alexandres... O ladrão que furta para comer, não vai nem leva ao inferno: os que não só vão, mas que levam, de que eu trato, são os outros - ladrões de maior calibre e de mais alta esfera... Os outros ladrões roubam um homem, estes roubam cidades e reinos; os outros furtam debaixo de seu risco, estes, sem temor nem perigo; os outros se furtam, são enforcados, estes furtam e enforcam." (Sermão do bom ladrão, Vieira)
Em relação ao estilo empregado por Vieira neste trecho pode-se afirmar:
a. autor recorre ao Cultismo da linguagem com o intuito de convencer o ouvinte e por isto cria um jogo de imagens.
b. Vieira recorre ao preciosismo da linguagem, isto é, através de fatos corriqueiros, cotidianos, procura converter o ouvinte.
c. Padre vieira emprega, principalmente, o Conceptismo, ou seja, o predomínio das idéias, da lógica, do raciocínio.
d. pregador procura ensinar preceitos religiosos ao ouvinte, o que era prática comum entre os escritores gongóricos.

10. (USF-SP)
"Que és terra, homem, e em terra hás de tornar-te,
Te lembra hoje Deus por sua Igreja;
De pó te fez espelho, em que se veja
A vil matéria, de que quis formar-te".

Conforme sugere o excerto acima, o poeta barroco não raro expressa:
a. medo de ser infeliz; uma imensa angústia em face da vida, a que não consegue dar sentido; a desilusão diante da falência de valores terrenos e divinos.
b. a consciência de que o mundo terreno é efêmero e vão; o sentimento de nulidade diante do poder divino.
c. a percepção de que não há saídas para o homem; a certeza de que o aguardam o inferno e a desgraça espiritual.
d. a necessidade de ser piedoso e caritativo, paralela à vontade de fruir até as últimas conseqüências o lado material da vida.
e.  a revolta contra os aspectos fatais que os deuses imprimem a seu destino e à vida na terra.


 



GABARITO: 1A; 2E; 3C; 4D; 5A; 6D; 7 02++16+32=50;  8B; 9B; 10A

7 comentários:

  1. porrraa cade o dilema do homem barrocoooo!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O SEU DISTRAIDO VAI SE FUDE!!!!

      Excluir
  2. ta na porra dentro da sua pistola que eu xuepii onteem a noitee meu lindao.............
    passa o numero do seu telefone eu faço prograama..
    meu msn ee kiatinha93@hotmail.com karo queira mi veer pelada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MUITO BEM É ISSO MESMO!!!!!

      Excluir
  3. que porra desgraça, véy num achei o que eu queria nãum

    ResponderExcluir
  4. ESSE SITE É MUITO BOM E QUEM NÃO GOSTOU APROVEITA E FAÇA UM MELHOR,VIU???
    AQUI ENCONTREI TODAS AS RESPOSTAS DE QUE PRECISAVA!!!!

    ResponderExcluir